Educação financeira é essencial para lidar com dinheiro de maneira sustentável

De: 1 de junho de 2018 Notícias

A importância da educação financeira e a necessidade de incluir o tema nas escolas do país estiveram em discussão durante o 19º Congresso da Anapar na palestra do consultor Leonardo Sávio de Matos Silva “Sustentabilidade financeira dos participantes”, realizado no Rio de Janeiro.

“Gerar renda é uma necessidade de todas as pessoas e famílias, e não basta ter o dinheiro, é necessário controlar e administrar esse dinheiro ao longo da vida”, explicou Leonardo. Viver de forma sustentável foi outro ponto abordado e segundo o consultor, é necessário encontrar maneiras de ajustar as receitas e despesas para atender as reais necessidades e desejos da família. “É possível e necessário reduzir os desperdícios e viabilizar a realização do que consideramos realmente importante”, ressaltou.

Leonardo usou exemplos da sua vida que acabaram o levando a entender a necessidade de que as pessoas começassem a aprender educação financeira cada vez mais cedo. Assim começou a ideia de implantar programas que abordam o tema em escolas e empresas. “Esse ano foi incluída a educação financeira na base nacional comum curricular e até 2021, cem por cento das escolas precisam incluir esse tema nas suas aulas”, divulgou.  De acordo com Leonardo, há anos a sua consultoria trabalha com o assunto e atualmente existem mais de 50 mil alunos que trabalham a educação financeira no cotidiano escolar. Há 10 anos, a consultoria firmou uma parceria com o laboratório de psicologia social da Universidade de Brasília que mede se a abordagem da educação financeira nas escolas e empresas está tendo impacto entre alunos e funcionários e se há mudança de comportamento entre eles, que é o grande foco.

Leonardo contou sua experiência  quando trabalhou com uma instituição de bancários e também com carteiros. “O que me chamou mais atenção foi que o nível de endividamento do bancário é muito similar ao do carteiro. Hoje em dia a gente trabalha com cooperativas de crédito e o nível de endividamento é muito similar”, ressaltou.  Ele explicou que não tem como pressupor o nível de educação financeira de cada um mas que durante esses último 10 anos ele conseguiu fazer com que as pessoas assimilassem  as habilidades que precisam ter para construir o seu caminho de sustentabilidade financeira.  “Sustentabilidade hoje e no futuro”, finalizou.

Scroll Up