Funcef: Sustentabilidade preservada

De: 1 de abril de 2014 Clipping

Bases seguras e
perspectiva de longo prazo diluem riscos aos planos de
benefícios

Os resultados dos planos de benefícios da FUNCEF
ficaram abaixo da meta atuarial estabelecida para o exercício 2013, mas nenhum
deles deixou de registrar rentabilidade positiva (REG/Replan não Saldado com
7,25%, REG/Replan Saldado com 6,99%%, REB com 5,92%% e Novo Plano com
6,63%%).

O REB foi o que alcançou a menor rentabilidade, mas,
ainda assim, no acumulado, permaneceu com superávit de R$ 40,162 milhões (R$
1,138 bilhão de patrimônio de cobertura para R$ 1,098 bilhão em provisões
matemáticas). Os demais planos fecharam com déficit.

O REG/Replan
Saldado encerrou o exercício com déficit nominal acumulado de R$ 3,02 bilhões,
correspondente a 7,74% da reserva matemática. No REG/Replan não Saldado, o
déficit foi de R$ 118,9 milhões (2,72% da reserva) e no Novo Plano foi de R$ 15
milhões (5,27% da reserva).

É o segundo resultado
anual deficitário no REG/Replan, tanto na modalidade Saldada como na não
Saldada. No Novo Plano, é o primeiro.

Tais déficits ainda
mantêm razoável distância do patamar a partir do qual se passa a exigir
equacionamento. A legislação mais recente determina a elaboração do plano de
equacionamento até o final do exercício seguinte, quando o déficit técnico
acumulado for superior a 15% das provisões matemáticas, ou até o final do
exercício subsequente ao da apuração do terceiro resultado deficitário anual
consecutivo, se o déficit for igual ou inferior ao mesmo
limite.

Os desequilíbrios atuariais verificados nos planos
de benefícios administrados pela Fundação têm natureza conjuntural, isto é, os
fatores que deram origem aos resultados inferiores à meta atuarial são sazonais
ou ocasionais, pois decorrem da persistente crise econômica global, e estão
sujeitos à reversão, observados os movimentos cíclicos da economia mundial. A
FUNCEF, ao realizar a avaliação atuarial de fechamento do exercício 2013,
constatou a sustentabilidade dos planos de benefícios que
administra.

A confiança na recuperação e na evolução crescente
dos resultados da Fundação se assenta na trajetória do desempenho altamente
positivo produzido ao longo dos últimos 12 anos, alcançado por meio uma política
de investimentos tecnicamente equilibrada e eficiente. Tais resultados
viabilizaram a implantação de medidas negociadas entre a Patrocinadora e a
representação dos participantes e assistidos, como a revisão do valor dos
benefícios saldados, medidas prudenciais e vários ajustes feitos nos planos,
tornando-os mais seguros aos seus integrantes, e que consumiram cerca de R$ 19
bilhões dos recursos dos planos de benefícios.
(Funcef/AssPreviSite)

Scroll Up