OABPrev-SP: Política de Investimentos

De: 16 de janeiro de 2013 Clipping

A OABPrev-SP já trabalha conforme nova política de investimento, aprovada em dezembro pela Diretoria Executiva e pelo Conselho Deliberativo da instituição com base em proposta da Icatu Vanguarda, empresa que gere os recursos do fundo previdenciário, e da Aditus Consultoria Financeira, responsável pelo assessoramento e pelo monitoramento do risco de mercado e pela análise da performance dos fundos e das carteiras da entidade. O compromisso dos gestores é aumentar a rentabilidade, que foi 12,3% em 2012, sem comprometer a segurança dos investimentos. O fundo de previdência instituído pela OAB-SP e pela CAASP (Caixa de Assistência dos Advogados de São Paulo) adentra 2013 com patrimônio da ordem de R$ 230 milhões e 28,5 mil participantes, constituindo a maior entidade previdenciária instituída do Brasil em número de participantes.

“O sucesso do plano de previdência administrado pela OABPrev-SP é reconhecido nacionalmente. Tanto em termos de participação da classe quanto de resultados financeiros, alcançamos números significativos, mas isso só reforça nosso compromisso de levar a entidade adiante, buscando novos saltos nas adesões e rentabilidade crescente, sempre mantendo a segurança e a transparência que devem caracterizar um plano previdenciário”, afirma o presidente da OABPrev-SP, Luís Ricardo Marcondes Martins.

As alterações sofridas pela política de investimento da OABPrev-SP foram pontuais, de modo a não modificar substancialmente um modelo de sucesso financeiro – a rentabilidade de 12,3% alcançada em 2012 pode ser considerada excelente face ao panorama econômico do país, onde a taxa Selic caiu a 7,25%, patamar em que deverá permanecer ao longo de 2013. Em linhas gerais, serão mantidos em renda fixa 85% das alocações, ao passo que 15% continuarão destinados para renda variável. A principal novidade fica por conta de novas classes de ativos atrelados à inflação.

Segundo descrito no documento “Política de Investimento OABPrev-SP 2013 a 2017”, 17% dos recursos irão para os chamados fundos tradicionais de renda fixa, atrelados à taxa de juros e com horizonte de médio prazo; 23% serão destinados a fundos IMA B5, também de médio prazo, cuja variação acompanha esse índice (atrelado à inflação); 28% irão para fundos IMA B5+ (semelhante ao anterior, porém com horizonte de longo prazo); e 17% comporão o perfil Crédito CDI, ou seja, serão alocados em fundos de investimento atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), de médio prazo. De outra parte, 10% irão para a chamada Renda Variável Ativa, de longo prazo, cujos fundos identificam oportunidades no mercado de renda variável de modo a obterem retornos superiores ao IBX. Por fim, 5% das aplicações serão feitas em renda variável tradicional, cuja rentabilidade acompanha o IBX.

“A OABPrev-SP é uma entidade fechada de previdência complementar cujo plano de benefícios apresenta grande concentração de participantes na faixa de 25 a 40 anos. Isto posto, pode-se traduzir que a massa de benefícios a conceder é superior à massa de benefícios concedidos. Deste modo, nota-se com isso que a liquidez do plano de benefícios é bastante satisfatória, o que abre espaço para alocação em classes de ativos com maior horizonte de investimento”, relata um trecho da “Política de Investimento OABPrev-SP”. No mesmo material está descrito o processo de controle de riscos do fundo da advocacia, sejam de mercado, de crédito, de liquidez, de investimentos estruturados, de gestão, legal, operacional, atuarial ou sistêmico.

O documento em questão obedece às diretrizes estratégicas observadas na Gestão dos Recursos Garantidores das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPCs). De acordo com o Artigo 16 da Resolução 3.792 do Conselho Monetário Nacional, todas as EFPCs devem definir uma política de investimento dos recursos de cada plano por elas administrados.

“A política de investimentos da OABPrev-SP é revista anualmente para ajustes finos, visando à manutenção do trinômio rentabilidade-segurança-liquidez. O documento que materializa a política de investimentos após aprovação pelos órgãos diretivos da entidade é encaminhado à Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), que o órgão fiscalizador do setor, ficando à disposição dos participantes não só para análise como também para eventuais questionamentos e sugestões”, explica o presidente do Conselho Deliberativo da OABPrev-SP, Jarbas de Biagi.

Consta também da “Política de Investimento OABPrev-SP” os princípios socioambientais respeitados pela entidade, conforme o trecho a seguir: “Pela própria definição de sua atividade primordial, a OABPrev-SP considera que a utilização dos princípios de responsabilidade  socioambiental como base para suas diversas atividades é de fundamental importância. No campo dos investimentos, a análise de projetos e de fundos sempre levará em conta a existência de cláusulas ou objetivos que contradigam tais princípios. Em função de não haver princípios formalmente definidos, a OABPrev-SP procurará, sempre que possível, pautar-se por seu entendimento sobre a responsabilidade socioambiental antes de qualquer tomada de decisão.” 

Fonte: Diário dos Fundos de Pensão

Scroll Up